“O escritor pode ficar em silêncio?” por Milton Hatoum