Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/content/14/11544814/html/levantebh/index.php:2) in /home/content/14/11544814/html/levantebh/wp-includes/feed-rss2.php on line 8
LevanteBH http://levantebh.com.br Slogan do site Wed, 20 Oct 2021 22:17:44 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=5.0.14 http://levantebh.com.br/wp-content/uploads/2019/02/cropped-levantebh-2-32x32.png LevanteBH http://levantebh.com.br 32 32 Lombard Street (San Francisco) http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/lombard-street-san-francisco/ http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/lombard-street-san-francisco/#respond Wed, 20 Oct 2021 16:33:34 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57269 ao encontrar essa bela imagem no Facebook em 20/10/2021, criei este verbete para lançar as minhas fotos dessa rua íngreme

na Wikipedia (20/10/2021) encontrei as imagens abaixo:

imagem no blog INNSF (acesso em 20/10/2021)

Visit San Francisco's Most Popular Streets | Inn San Francisco

no Google Maps (acesso em 20/10/2021):

]]>
http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/lombard-street-san-francisco/feed/ 0
sobre micro-ônibus de Santos no Diário do Transporte (2017) http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/sobre-micro-onibus-de-santos-no-diario-do-transporte-2017/ http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/sobre-micro-onibus-de-santos-no-diario-do-transporte-2017/#respond Wed, 20 Oct 2021 12:55:57 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57256 esta postagem é referência da NTA 2C e integra a lista do verbete piso baixo
o ônibus aqui mostrado é classificado no nível 8 da escala IAED

BAZANI (2017a): BAZANI, Adamo. Santos recebe micro-ônibus 100% elétrico e linha do Gonzaga se torna modelo de baixas emissões com diferentes tecnologias. Diário do Transporte, 22 de agosto de 2017. Disponível em: internet. Acesso em: 20 out. 2021.

conteúdo integral:

Santos recebe micro-ônibus 100% elétrico e linha do Gonzaga se torna modelo de baixas emissões com diferentes tecnologias
Publicado em: 22 de agosto de 2017

Micro-ônibus integra frota limpa da Viação Piracicabana.

Trólebus também voltam a circular no trajeto que ainda conta com um ônibus híbrido

ADAMO BAZANI

A linha 20 que liga a praça Mauá, no Centro, à praça da Independência, no Gonzaga, do sistema municipal de Santos, no Litoral Paulista, volta a se tornar um itinerário de baixas emissões de poluentes e ruídos, com tecnologias diferentes baseadas na tração elétrica, reunindo modelos conectados à rede área, apenas com bateria e híbrido.

Nesta terça-feira, 22 de agosto de 2017, a linha recebe um micro-ônibus 100% elétrico. Além disso, os trólebus (que circulam conectados à rede aérea de energia elétrica) também voltam à circulação comercial depois de 15 meses parados por causa do cruzamento com a rede aérea da linha de VLT – Veículo Leve sobre Trilhos, entre Santos e São Vicente. A linha 20 também conta com um ônibus híbrido, equipado com dois motores, um a diesel e outro elétrico. A tecnologia é híbrida paralela, ou seja, tanto o motor elétrico como o a diesel atuam na tração do ônibus. Quando o veículo está parado ou circulando até 20 km/h, os momentos de maiores emissões, está em funcionamento o motor elétrico. Acima desta velocidade, entra em ação o motor diesel. O híbrido pode reduzir de 35% a 80% as emissões dependendo do tipo de poluente analisado.

Já o micro-ônibus 100% elétrico, de chassi e sistema BYD e carroceria Volare, conta com baterias que armazenam energia e não emite poluentes durante a operação.

São dois conjuntos de baterias instalados no teto do ônibus, um atrás que alimenta os motores que são conectados aos eixos e outra na parte dianteira para os sistemas de elétricos dos veículos.

As baterias podem ser carregadas em até quatro horas e a autonomia fica em torno de 220 quilômetros.
Segundo a CET – Santos (Companhia de Engenharia de Tráfego), o veículo, produzido e montado em Campinas, no interior paulista, tem sistema de câmeras que, entre outras vantagens, vai permitir ao motorista visualizar o embarque e desembarque de passageiros. Com piso rebaixado para acessibilidade, também dispõe de ar-condicionado e Wi-Fi.

Os seis trólebus, o híbrido e o micro elétrico são de responsabilidade da Viação Piracicabana, do Grupo Comporte, que também opera o VLT.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

]]>
http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/sobre-micro-onibus-de-santos-no-diario-do-transporte-2017/feed/ 0
IAED (exemplo de ônibus nível 8) da Man http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/iaed-exemplo-de-onibus-nivel-8-da-man/ http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/iaed-exemplo-de-onibus-nivel-8-da-man/#respond Wed, 20 Oct 2021 12:24:37 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57239 Inicialmente, acesse a escala IAED para conhecê-la em toda a sua amplitude.

detalhe: porta única de entrada/saída do veículo.
detalhe: uma rampa se projeta do veículo para a calçada para transpor a fronteira.
]]>
http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/iaed-exemplo-de-onibus-nivel-8-da-man/feed/ 0
pendente 9º Fórum Internacional da Longevidade do ILC http://levantebh.com.br/pessoasidosas/9o-forum-internacional-da-longevidade-do-ilc/ http://levantebh.com.br/pessoasidosas/9o-forum-internacional-da-longevidade-do-ilc/#respond Tue, 19 Oct 2021 18:39:30 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57225 FÓRUM INTERNACIONAL DA LONGEVIDADE (2021): FÓRUM INTERNACIONAL DA LONGEVIDADE, 9 / INTERNATIONAL LONGETITY FORUM, 9. O futuro / The Future. 4 de novembro a 9 de dezembro de 2021.

]]>
http://levantebh.com.br/pessoasidosas/9o-forum-internacional-da-longevidade-do-ilc/feed/ 0
“Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência” do Brasil http://levantebh.com.br/pcdgeral/politica-nacional-de-saude-da-pessoa-portadora-de-deficiencia-do-brasil/ http://levantebh.com.br/pcdgeral/politica-nacional-de-saude-da-pessoa-portadora-de-deficiencia-do-brasil/#respond Tue, 19 Oct 2021 18:19:10 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57216 esta é uma “política de direitos” que integra a lista de “políticas nacionais do Brasil” do verbete políticas do Biblioteca do Levante-BH

BRASIL (2008p): BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 72 p. (Série E. Legislação em Saúde).

]]>
http://levantebh.com.br/pcdgeral/politica-nacional-de-saude-da-pessoa-portadora-de-deficiencia-do-brasil/feed/ 0
arte anônima http://levantebh.com.br/arte-cultura-filosofia-historia-politica-sociologia/arte-anonima/ http://levantebh.com.br/arte-cultura-filosofia-historia-politica-sociologia/arte-anonima/#respond Tue, 12 Oct 2021 00:45:35 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57213 Encontrei essa fotografia no facebook em outubro/2021. Me lembrei das inserções de Cildo Meireles.

]]>
http://levantebh.com.br/arte-cultura-filosofia-historia-politica-sociologia/arte-anonima/feed/ 0
proibido transportar animais no metrô (NY) http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/proibido-transportar-animais-no-metro-ny/ http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/proibido-transportar-animais-no-metro-ny/#respond Mon, 11 Oct 2021 23:20:22 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57187 aAs fotografias dessa postagem foram publicadas no facebook do Street DOG Gdl.

Essas imagens, aqui publicadas com a tag “curiosidades” exemplifica como as pessoas contornam as regras quando elas não lhes parece razoáveis. Certamente que os gestores do metrô de Nova York tiveram suas razões para impor a proibição de animais circulando nos veículos e nas estações. As soluções dadas por alguns usuários, sem descumprir a proibição e não deixando de levar seus animais, são muito boas.

Em uma matéria no The Guardian há um pequeno vídeo desse usuário tentando argumentar com o condutor do metrô, que proibiu o seu embarque no veículo.

Trecho de matéria no The Guardian (link) de 09/04/2019:

On Friday, however, a man found that he couldn’t quite squeeze his dog through the loophole. He was filmed by journalist Will Sabel Courtney on the subway platform at Carroll Street in Brooklyn, arguing with a train conductor about whether he was allowed to bring his dog onboard. The dog was in a burlap sack, which the man was able to hoist over his shoulder as if it was just another New Yorker tote, but the driver felt there wasn’t enough material to call it a bag.

But New Yorkers love a loophole, and so while the MTA probably meant dogs carried in purpose-built crates, subway riders quickly got inventive with tote bags and rucksacks – pushing the law to its high-fashion limits.

In 2016, the Metro Transit Authority (MTA) in New York banned people from bringing their pets on the subway. The only exception was for animals “enclosed in a container and carried in a manner which would not annoy other passengers”.

Essas fotografias estão, também, na postagem “NYC Subway Banned Dogs Unless They Fit In a Bag, So Owners Got Creative” do Sad and Useless (link). Outras;

Large dog in a bag.
Happy dog in a bag.

Os comentários postados são muito bons (esse fala dos ratos no metrô):
Julia June 1, 2021
If I understood it right, the main idea of this stupid law is that the dog might annoy other passengers. How about rats on the platform in NYC subway? Are they not annoy the passengers ??? I feel like dog owners are being discriminated. It is so weird because America always care about all categories and groups of people (LGBT, different rases, disabled people, veterans). But not the dog owners. I can not even move around the city and enter anywhere because I am with a dog.

]]>
http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/proibido-transportar-animais-no-metro-ny/feed/ 0
Global Multidimensional Poverty Index 2021 http://levantebh.com.br/pob-ric-autorid-cast/global-multidimensional-poverty-index-2021/ http://levantebh.com.br/pob-ric-autorid-cast/global-multidimensional-poverty-index-2021/#respond Fri, 08 Oct 2021 16:47:38 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57178 UNDP & OPHI (2021a): UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME – UNDP; OXFORD POVERTY AND HUMAN DEVELOPMENT INICIATIVE – OPHI. Global Multidimensional Poverty Index 2021: unmasking disparities by thnicity, caste and gender. s.l., 2021. 37p. Disponível em: internet. Acesso em: 8 out. 2021.

Cheguei a esse relatório pela matéria “Índice de Pobreza revela grandes desigualdades entre grupos étnicos” (link) do PNUD Brasil cujo texto integral segue abaixo.

Nova York, 7 de outubro de 2021 – As disparidades na pobreza multidimensional entre grupos étnicos são consistentemente altas em muitos países, e em nove grupos étnicos mais de 90 por cento da população vive em situação de pobreza, de acordo com uma nova análise sobre pobreza multidimensional global divulgada hoje.

O Índice de Pobreza Multidimensional (MPI, na sigla em inglês) global, produzido pelo PNUD e a Oxford Poverty and Human Development Initiative (OPHI), da Universidade de Oxford, mede a pobreza considerando várias privações que as pessoas experimentam em seu cotidiano, como saúde precária, educação insuficiente e baixo padrão de vida. O relatório examina o nível e a composição da pobreza multidimensional em 109 países, contemplando 5,9 bilhões de pessoas, e desagrega os dados por etnia / raça / casta para 41 países com informações disponíveis.
O documento mostra também como, dentro de um país, a pobreza multidimensional entre diferentes grupos étnicos pode variar imensamente. Por exemplo, a diferença na porcentagem de pessoas multidimensionalmente pobres entre os grupos étnicos é de mais de 70 pontos percentuais no Gabão e na Nigéria.

Na América Latina, os povos indígenas estão entre os mais pobres. Por exemplo, na Bolívia, as comunidades indígenas representam cerca de 44% da população, mas representam 75% das pessoas multidimensionalmente pobres. Os números também são nítidos na Índia, onde cinco em cada seis pessoas multidimensionalmente pobres são de tribos ou castas consideradas inferiores.

A análise multidimensional também mapeia as próximas etapas. O MPI combina a incidência e a intensidade da pobreza. Os dois grupos étnicos mais pobres de Gâmbia – os Wollof e os Sarahule – têm aproximadamente o mesmo valor de MPI, mas suas privações são diferentes, sugerindo que ações políticas distintas são necessárias para reduzir a pobreza multidimensional.

Uma análise intradomiciliar da pobreza multidimensional com foco em gênero também está presente no estudo. Em todo o mundo, cerca de dois terços das pessoas multidimensionalmente pobres (836 milhões) vivem em famílias em que nenhuma mulher ou menina completou pelo menos seis anos de escolaridade. Um sexto de todas as pessoas multidimensionalmente pobres (215 milhões) vive em famílias nas quais pelo menos um menino ou homem completou seis ou mais anos de escolaridade, mas nenhuma menina ou mulher o fez. O relatório também conclui que mulheres e meninas em situação de pobreza multidimensional correm mais risco de violência pelo parceiro íntimo.

Em todo o mundo, em 109 países e 5,9 bilhões de pessoas:
• 1,3 bilhão de pessoas são multidimensionalmente pobres.
• Cerca de metade (644 milhões) são crianças menores de 18 anos.
• Quase 85% vivem na África Subsaariana (556 milhões) ou no Sul da Ásia (532 milhões).
• Mais de 67% vivem em países de renda média.

Mas qual é a realidade da vida cotidiana para pessoas multidimensionalmente pobres? Os dados pintam um quadro sombrio:
• 1 bilhão está exposto a combustíveis sólidos para cozinhar, outro bilhão vive com saneamento inadequado, e outro bilhão tem moradias precárias.
• 788 milhões vivem em uma família com pelo menos uma pessoa subnutrida.
• 568 milhões carecem de água potável no espaço de uma caminhada de ida e volta de 30 minutos.

“A pandemia de COVID-19 corroeu o progresso do desenvolvimento em todo o mundo, e ainda estamos lutando para entender todos os seus impactos”, declarou o administrador global do PNUD, Achim Steiner. “O Índice de Pobreza Multidimensional deste ano nos lembra da necessidade de uma imagem mais ampla de como as pessoas estão sendo afetadas pela pobreza, quem são e onde vivem, se quisermos sair melhor desta crise e criar respostas eficazes que não deixem ninguém para trás ”, destacou.

Embora a pobreza multidimensional permaneça alta, houve sinais encorajadores de progresso em alguns países, pelo menos até o início da COVID-19. Dos 80 países e cinco bilhões de pessoas para os quais existem dados ao longo do tempo, 70 reduziram o MPI em pelo menos um período, com as mudanças mais rápidas vindo de Serra Leoa (2013–2017), seguida por Togo (2013 / 2014–2017). Alguns países viram as reduções absolutas mais rápidas em suas regiões mais pobres – ajudando a cumprir sua promessa de não deixar ninguém para trás. Essas áreas incluem o Centro-Norte da Libéria (2013–2019 / 2020) e a Província 2 do Nepal (2016–2019).
“Alcançar um futuro em que todas as pessoas desfrutem das capacidades essenciais que valorizam e têm razão para valorizar requer que a comunidade global corrija as desigualdades estruturais que oprimem e impedem o progresso. A desagregação dos dados multidimensionais da pobreza por etnia, raça, casta e a exploração de padrões de gênero e intrafamiliar desmascaram as disparidades e constituem um guia vital para os formuladores de políticas não deixarem ninguém para trás na última década para a ação ”, afirmou a diretora da OPHI na Universidade de Oxford, Sabina Alkire.

Embora dados completos sobre os impactos da COVID-19 no MPI ainda não estejam disponíveis, a pandemia expôs fraturas nos sistemas de proteção social, educação e vulnerabilidade dos trabalhadores em todo o mundo. Essas fraturas, mostra o relatório, são mais profundas em países com níveis mais elevados de pobreza multidimensional. Por exemplo, milhões de crianças em todo o mundo pararam de frequentar a escola durante a pandemia, mas a interrupção da educação formal foi mais prevalente em países com MPI mais alto. Na Zâmbia, por exemplo, a diferença entre a porcentagem de agregados familiares com crianças a frequentar a escola antes da pandemia e aqueles que participaram na aprendizagem assistida por professores durante a pandemia era de cerca de 80 pontos percentuais. Experiências de emergências de saúde anteriores sugerem que muitas dessas crianças podem nunca mais voltar à escola.

]]>
http://levantebh.com.br/pob-ric-autorid-cast/global-multidimensional-poverty-index-2021/feed/ 0
“Guia da diversidade etária para líderes” da Maturi http://levantebh.com.br/pessoasidosas/guia-da-diversidade-etaria-para-lideres-da-maturi/ http://levantebh.com.br/pessoasidosas/guia-da-diversidade-etaria-para-lideres-da-maturi/#respond Fri, 08 Oct 2021 12:22:16 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57160 e-book recebido pelo WhatsApp do ILC em 08/10/2021

este documento integra a lista “guias de direitos” do item “da pessoa idosa / Brasil” do verbete cartilhas, guias, manuais e cadernos da Biblioteca do Levante-BH
acesse também as demais postagens com a tag ageísmos
acesse também: diferença / diferente / diversidade

MATURI (2021): Guia da diversidade etária para líderes. São Paulo, 2021. 36p. (e-book). Disponível para baixar em: internet. Acesso em: 8 out. 2021.

Juliana Seidl (@juliana_seidl) | Twitter
]]>
http://levantebh.com.br/pessoasidosas/guia-da-diversidade-etaria-para-lideres-da-maturi/feed/ 0
pendente sobre calçadas de Arcos http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/sobre-calcadas-de-arcos/ http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/sobre-calcadas-de-arcos/#respond Thu, 07 Oct 2021 16:15:14 +0000 http://levantebh.com.br/?p=57153 >>> Disponível em: internet. dw-ok trecho inicial: A responsabilidade dos municípios pela construção e manutenção das calçadas públicas, tendo como enfoque a insegurança dos pedestres nas calçadas públicas da cidade de arcos no Estado de Minas GeraisObede Anunciação Martins Publicado em 01/2017. Elaborado em 06/2014. ]]> linkar no verbete calçada

MARTINS, O.A. (2017): MARTINS, Obede Anunciação. >>>> Disponível em: internet. dw-ok

trecho inicial:

A responsabilidade dos municípios pela construção e manutenção das calçadas públicas, tendo como enfoque a insegurança dos pedestres nas calçadas públicas da cidade de arcos no Estado de Minas Gerais
Obede Anunciação Martins

Publicado em 01/2017. Elaborado em 06/2014.

Artigo desenvolvido com o objetivo de debater sobre as dificuldades que o pedestre encontra, ao caminhar pelas vias a ele destinadas nos centros urbanos. Análise das leis verificando a responsabilidade dos Municípios; com enfoque na cidade de Arcos-MG.

]]>
http://levantebh.com.br/urbcidmoburbtransptranst/sobre-calcadas-de-arcos/feed/ 0